Meu blog de mãe arruinou minha vida

Por Mackenzie Dawson


Existem 4,2 milhões de mães americanas - muitas das quais detestam o termo desdenhoso “mamãe blogueira” - que escrevem sobre suas vidas familiares, de acordo com a eMarketer. Entre eles estão mães perfeitas, mães ruins, mães astutas, mães veganas, mães antivacinação, mães pioneiras, mães da cidade, mães diva, mães do Pinterest, mães que brincam até demais sobre se ainda é "hora do vinho".


Muitas das mulheres são mães que ficam em casa na esperança de monetizar seus blogs: em troca de coisas e experiências gratuitas ou mais acordos formais de patrocínio pago, elas se entusiasmam com o produto de uma empresa em seus blogs e plataformas de mídia social. Alguns ganham tanto quanto fariam em um trabalho tradicional fora de casa.


Este é o mundo que Josi Denise, uma grávida de 27 anos com três filhos, habitou até 13 de maio. Foi quando, após decidir fechar seu popular blog, American Mama, ela escreveu sobre “falsos disparates que eu costumava publicar na Internet... escrevendo sobre minha vida falsa e casamento tão feliz”, chamando isso de “pura best***a”.


A postagem atraiu reações de outras mães blogueiras, que atacaram com comentários que variavam de, “você é uma pessoa doente, doente e me sinto péssima por seus filhos”, a, “eu acho que ela é ciumenta, hormonal e simplesmente infeliz.”


Denise começou a blogar em 2013. Ela tinha 24 anos, era casada e tinha dois filhos pequenos, morando em Miami Beach, Flórida, onde trabalhava como diretora de marketing para grupos de hospitalidade. Ela trabalhava de 60 a 70 horas por semana quando o parente que cuidava de seus filhos teve que se mudar repentinamente e Denise se deparou com uma decisão: continuar trabalhando e colocar seus filhos, então com 1 e 4 anos, na creche 10 horas por dia, ou pedir demissão?


Ela optou por este último, suspendendo sua carreira para ficar em casa até que os filhos estivessem um pouco mais velhos. Mas Denise logo percebeu que estava entediada e inquieta. Isso foi bem na época em que o Instagram estava se tornando popular, e ela ocasionalmente compartilhava receitas e anedotas com bom resultado.


Ela pensou em começar um blog, como sem pensar.


No início, Denise ficou animada - outras mães blogueiras a encorajaram e foi emocionante que ela pudesse criar uma carreira.


No começo, começar um blog é barato. “Qualquer pessoa com Wi-Fi e algumas crianças para tirar fotos pode começar um blog,” Denise afirmou ao The Post. “Essa é a atração que atrai tantas mulheres. Só mais tarde você começa a perceber que há uma tonelada de coisas nas quais você não tinha pensado, desde detalhes técnicos até o design do site e a adesão a todas essas redes e conferências, onde elas te ensinam como aumentar o público, para, você sabe, realmente ganhar dinheiro fazendo isso.”


“Outras blogueiras fazem parecer fácil. Realmente não é. Se eu quisesse ganhar dinheiro - e o fiz -, tudo seria um jogo de patrocinadores.”


Existem empresas que atuam como intermediários entre marcas e blogueiras e publicam oportunidades de patrocínio - assim como oportunidades de compras. Para testar a si mesma, uma blogueira pode fazer algumas postagens de graça, escrevendo sobre um produto que ela já possui e usa. Se isso atrair a atenção dos gerentes de marca, pode levar a algumas postagens pagas.


Como Denise já trabalhava com marketing, ela sabia como agir e logo foi selecionada pelas marcas.


“Mas essas postagens levam muito tempo e os líderes da campanha [da marca] vão criticar tudo o que você escrever e pedir que você postar novamente”, diz Denise. “Por exemplo, quando recebi minha primeira 'oportunidade de compra' paga com a Tyson Foods por um dia de jogo, um post sobre tiras de galinha, não tive permissão para dizer 'Super Bowl, porque é protegido por direitos autorais. Eu tive que dizer 'o grande jogo'.”


Ainda assim, quando o primeiro cheque de 125 dólares chegou foi a validação.


“Eu me senti valiosa”, diz ela. “Ao mesmo tempo, senti que qualquer coisa que postasse, as marcas estavam me observando. Você não quer postar nada muito real.”



Sombrio - digamos, problemas conjugais ou sentir-se sobrecarregado pelas exigências da maternidade - não é o que atrai anunciantes. Em vez disso, Denise percebeu uma “positividade constante” em toda a blogosfera materna.


“As outras blogueiras em sua comunidade não compartilharão seu conteúdo com os leitores [se não for animador]”, explica ela. “E se as redes [de blogueiras] não compartilharem o conteúdo, seus próprios números serão prejudicados.”


Esses números são cruciais para que as blogueiras consigam mais trabalhos pagos, mas sua alegria em seu blog estava em total contraste com seu próprio casamento infeliz.


"Eu senti que poderia de alguma forma controlar as coisas, desde que parecesse bem online”, diz Denise.


E, quando ela tentou conteúdo substantivo sobre tópicos que realmente a interessavam - por exemplo, “O que as mães da geração Y precisam saber sobre a fala do Presidente no Congresso” - eles receberam poucos cliques. Os leitores não se importaram.


Ainda assim, Denise tinha muitos seguidores: 50.000 visualizações únicas de páginas por mês em seu site. Ela desenvolveu um relacionamento de patrocinador com Bigelow Tea, e eles pediram a ela para postar uma receita com Bigelow Tea Perfect Peach Iced Tea vinculado ao Dia dos Pais.


“Então, aí estamos todos, momento de família, grelhando no Dia dos Pais com chá gelado de pêssego, mas você não pode aproveitar o momento que está tendo com seus filhos porque está tirando fotos infinitas e tudo é encenado” diz Denise. “Você está preocupada com o enquadramento do logotipo da empresa, e seus filhos sorrindo, e você está tirando foto após foto. ‘OK, agora fique atrás da grelha!’... Eu postei as fotos com uma legenda que dizia, ‘Nós nos divertimos TANTO grelhando no domingo!’ E é tipo, ‘Não, na verdade nem fizemos isso no Dia dos Pais. Fizemos isso há um mês para que o conteúdo ficasse pronto'”.


Seus filhos eram em sua maioria bem-humorados com relação a todas as fotos que ela tirava, mas isso por si só começou a preocupá-la. Eles se acostumaram com ela estar atrás das lentes, em vez de se envolver em atividades com eles.


E então havia o material gratuito. Os ganhos de Denise evoluiram de utensílios domésticos diários baratos - um kit elétrico para pedicure, um kit para fazer sabão, uma frigideira antiaderente - até uma experiência para nadar com golfinhos na Jamaica que custava 1.800 dólares.


Depois que Denise se tornou uma “influenciadora” estabelecida com seu blog American Mama, ela foi convidada para o Social Influencers Travel Summit em Atlanta, onde sua comida, bebida e hotel foram pagos por quatro dias.


Uma agência coordena os blogueiros e as amenidades são cuidadas pelos patrocinadores. Com essas viagens, geralmente não há contrato ou promessa feita para escrever sobre o evento - a expectativa era tácita.


“Mas é claro que os influenciadores vão compartilhar sobre isso. Eles querem se gabar para o público de que são importantes o suficiente para serem convidados para uma viagem com todas as despesas pagas”, diz Denise.


Ela saiu da viagem se perguntando: “Qual foi o sentido disso?”


Em dezembro de 2014, Denise foi convidada pela NASA para o lançamento de um foguete no Cabo Canaveral, Flórida, depois de postar uma foto de férias do Kennedy Space Center. Mas ela passou a viagem patrocinada de dois dias se perguntando por que ela estava lá.


“Ficou claro que a presença de influenciadores de mídia social era uma piada para o restante dos participantes”, diz Denise. “A maioria dos [blogueiros] não era profissional, navegando em seus telefones enquanto astrofísicos falavam e fazendo piadas sobre tirar a selfie perfeita do Instagram na frente do lançamento do foguete enquanto equipes de televisão filmavam astronautas ao vivo a poucos metros de distância.”


Sentindo-se deslocada, Denise pulou o resto dos eventos planejados e assistiu ao lançamento do foguete sozinha na praia naquela noite, sem necessidade de credencial.


“Esse foi o momento que começou a abrir meus olhos para que talvez eu não fosse talhada para a ‘carreira’ de influenciador”, diz ela.


Ainda assim, ela continuou. Era difícil resistir ao dinheiro.


Ela começou a planejar o tempo da família em torno de postos pagos. “Alguém quer nos mandar um jogo de tabuleiro enquanto comemos um certo cereal? Isso é o que faremos na sexta-feira”, diz ela. “Eu estava brincando com eles, mas não estava realmente lá. Eu estava assistindo e pensando em como legendar a foto que eu tiraria. Tudo tirou o tempo real com meus filhos.”


Esses tipos de oportunidades de patrocínio duplo eram comuns. Denise pode ser convidada a fazer compras no Walmart, comprar um Dr Pepper e uma barra de Snickers e tirar uma foto na loja antes de embarcar em uma "mini viagem rodoviária", contando a história de como sua família "recarregou" com os produtos mencionados.


Embora a maioria das postagens pagas comece com 125 a 150 dólares cada, Denise acabou ganhando de 700 a 1.500 dólares por postagem.


Em seus primeiros seis meses, ela ganhou 12.000 dólares.


“Lembro-me de um mês durante os primeiros seis meses em que ganhei 3.000 dólares”, diz Denise. “Não era um salário fixo, mas se você trabalhasse constantemente e sem parar, poderia ganhar muito dinheiro. Ainda assim, isso não deixa tempo para viver sua vida. Para chegar ao ponto em que as pessoas realmente estão pagando você, você vai escrever muitas postagens de 150 dólares que demandam uma quantidade surpreendente de trabalho.”


A maioria das mulheres não faz isso necessariamente por dinheiro, Denise notou, mas sim para validação - o sentimento de importância que vem de trabalhar com grandes marcas nacionais como Bigelow Tea e Coca-Cola.


“Elas não são muito honestas sobre o que está acontecendo em suas vidas”, diz ela. “Eu era certamente uma delas.”


Algo precisava ceder. Era 2015 e Denise tinha acabado de ter seu terceiro filho. Sofrendo de depressão pós-parto, ela tinha uma receita de medicamentos ansiolíticos, uma novidade para ela. Ela estava sobrecarregada e começando a se divorciar.


“Lembro-me de um dia sentada na minha cama com aquele frasco de comprimidos e pensando, ‘Devo tomar mais destes ou fazer algumas mudanças na minha vida?’”, rememora Denise. “Então, decidi me mudar para o sul de Indiana, onde cresci.”


Seus três filhos - Leonardo, 1, Gabriella, 4 e Nicolas, 7 - foram repentinamente cercados pela família e amigos de Denise. Ela começou um relacionamento com o homem que é seu melhor amigo desde os 15 anos.


“Eu sentia que era realmente eu agora, realmente vivendo uma vida genuína. Se eu tivesse um jantar romântico, não precisava tirar uma selfie”, diz ela. “Se as crianças e eu estivéssemos nos divertindo, não precisaria colocar no Instagram.”


Nos primeiros seis meses depois de se mudar para Indiana, Denise parou de publicar no blog. Ela retomou ao aceitar pedidos de patrocínio pagos. Ela publicou um total de três postagens de blog em 2016 e fez apenas um punhado de campanhas de mídia social pagas. Sua nova vida trouxe felicidade, mas ela lutou com a questão de como continuar escrevendo sobre coisas com as quais ela não se importava, depois de já ter apresentado uma cara falsa para o mundo.


Ela percebeu que não podia.


“Ninguém está lendo sua merda”, escreveu ela em seu “textão” para outras mães blogueiras. “Você não está sendo útil e não está sendo interessante.”


Ela não se arrepende do post. “Não fiz isso para atacar uma comunidade inteira”, diz ela. “Eu estava dizendo a todas essas mães que estão colocando muita pressão sobre si mesmas, ‘Ei, há mais coisas na sua vida’”.


A perda de renda era obviamente uma preocupação para Denise, mas, no final, ela decidiu que o dinheiro não poderia ser o único fator motivador por trás do que ela fazia.


“Saber que eu poderia voltar à força de trabalho tradicional também é reconfortante”, diz ela. Mas, quanto ao conteúdo pago, “Não estou mais jogando esse jogo. Estou deixando de escrever posts sobre frango e cupcakes. Hoje em dia, se estou em um parque com meus filhos, estou lá, naquele parque. Sinto um verdadeiro senso de comunidade – não o tipo falso que tentei criar online.”


Tradução livre de matéria publicada no New York Post em 29 de maio de 2016 com o título “My mommy blog ruined my life”. Disponível em https://nypost.com/2016/05/29/my-mommy-blog-ruined-my-life.


Imagem de capa: Eric Ward on Unsplash


Outros links com a repercussão do caso nos Estados Unidos:


Mommy Blogger Josi Denise Explains Why She Quit; Says Blog ‘Consumed’ Her Life - https://www.yahoo.com/gma/mommy-blogger-josi-denise-explains-why-she-quit-120805910--abc-news-parenting.html


'American Mama' Says Blogging Ruined Her Family's Life - https://www.youtube.com/watch?v=PMhl31eQc2I


Mommy blogger confesses that most of her stuff is 'fake nonsense' and the mommy blogging industry is 'b------t' - https://www.businessinsider.com/mommy-blogger-calls-b-on-the-mommy-blogging-industry-and-admits-much-of-her-blogging-was-fake-2016-5


Mommy Blogger Says Blog Consumed Her Life - https://www.youtube.com/watch?v=HHSsyt7Yxmg


Blogger You Haven't Read Makes Big Deal Out of Quitting - https://mom.com/news/32380-blogger-you-never-heard-makes-big-deal-out-quitting

159 visualizações0 comentário